Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O todo que há em mim

O todo que há em mim

No dia 4 de dezembro...

Novembro 26, 2019

... faz um ano que me divorciei. 

Hoje de manhã, no percurso para o trabalho, ocorreu-me a ideia (do nada) de festejar a data. Se há comemorações de despedida de solteira, comemorações de casamento, baby shower, porque não o comemorar de um novo rumo? É assim um acontecimento tão macabro ou deprimente? Provavelmente até é, de início.  Ao fim de contas é um projeto que chega ao fim... Tem de se fazer um luto, nem que seja um luto de coisas desinteressantes, amorfas, mas às quais nos habituámos e sem as quais pensámos que não podíamos viver.

A verdade?

Podemos tudo. Merecemos tudo.

Nada de nos habituarmos ao mediano, ao fraco, ao medíocre quando podemos ter o céu. Somos aquilo que quisermos ser e há bens supremos que vêm mascarados de fins de mundo. É virar do avesso e deixar a vida acontecer. Porque ela acontece. Estava prontinha e mortinha para entrar, e nós com um pé à frente a empurrar e a dizer que não queríamos nada!

Nesse dia vou arranjar o cabelo, fazer as unhas, vestir uma roupa bem sexy e beber um copo com as amigas. Vou comemorar a minha vida, a minha casa cheia de luz, o meu príncipe e o meu conto de fadas. Pacote completo. Sinto-me uma Gata Borralheira que deu um murro na mesa e acabou com aquela merda toda. Que se lixe tudo. Eu só quero ser feliz. E fui. E sou. Aos poucos, dia após dia, pensamento após pensamento, pequeno passo a seguir a outro e a vida toda a acontecer. É tão bom!

Se me perguntassem o que mudava no meu passado, responderia que nada. Foi todo esse percurso que me trouxe a este avesso que abraço como se fosse um bilhete de lotaria. Fiz as pazes com ele. Com o presente também. Amo ainda mais os homens, porque descobri que podem ser o nosso reflexo, a nossa continuidade, num caminho sereno de crescimento e inspiração. Amo quem sou. Porque gosto do que sinto, do que vejo, do que projeto. E porque gosto da resposta do mundo.

No dia 4 de dezembro faz um ano que voltei a nascer. Não é só a nossa mãe que nos dá vida.

tumblr-love-41.jpg

 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D